Acompanhe o JB por e-mail

sábado, 5 de março de 2016

Juíza suspende nomeação de 'novo' ministro

ESTÁ NA CONSTITUIÇÃO,
ENTÃO NÃO VALE EMPOSSAR

Juíza suspende nomeação de 'novo'
ministro da justiça de Dilma


E Dilma ainda tem a cara de pau de falar em 'respeito à Constituição',
ao nomear ilegalmente o 'novo ministro bolivariano da justiça'.

Agora, o "ministro" terá de escolher ou ficar no MP da Bahia ou ser Ministro por alguns dias. Sim, isso mesmo, alguns dias, por que ao que tudo indica a casa de Dilma cairá como caiu a de Lula. As delações estão aí. É só questão de tempo até a Lava Jato derrubar todos esses cavalos nesse tabuleiro de xadrez político e jurídico.

A juíza federal Solange Salgado, da Primeira Vara da Justiça Federal de Brasília, suspendeu na sexta-feira (4), por meio de liminar (decisão provisória), a nomeação, pela presidente Dilma Rousseff, do novo ministro da Justiça, Wellington César Lima e Silva. A decisão atende a pedido formulado na última quarta-feira (2) pelo deputado Mendonça Filho (DEM-PE). Ele argumentou que a Constituição Federal proíbe membros do Ministério Público de exercerem outra função pública, salvo a de professor.
O despacho da juíza determina a intimação urgente da presidente Dilma Rousseff para seguir a decisão, que ainda pode ser contestada com recursos.
Além disso, por se tratar de liminar, a decisão poderá ser derrubada no julgamento da ação. Na ação, o deputado argumentou que a nomeação de Wellington César “contraria frontalmente os comandos da Lei Maior, além de caracterizar um grave ato contra a moralidade administrativa”.

Em sua decisão, Solange Salgado diz que Wellington César Lima e Silva poderá ser novamente nomeado no cargo “desde que haja o necessário desligamento (por exoneração ou, se for o caso, aposentadoria) do cargo que ocupa, desde 1991, no Ministério Público do Estado da Bahia”. Ex-procurador de Justiça da Bahia, ele está atualmente afastado do cargo.

Em outra parte da decisão, Salgado também justifica a determinação de anular um ato da presidente da República. “Qualquer autoridade que participe ativa ou omissivamente da ilegalidade ou abuso de poder tem legitimidade passiva na ação popular, desde o mais alto ao mais baixo grau hierárquico”, diz.


(Fonte: Folha Centro Sul - Foto: Reprodução)

"Limpeza" no Instituto Lula antes da chegada da PF

Computadores e arquivos
foram escondidos antes

da chegada da polícia
Policiais federais descobriram que o Instituto Lula foi alvo de uma “limpeza” antes
da deflagração da Operação Aletheia nesta sexta-feira (4), a 24ª fase da Lava Jato
Policiais federais descobriram que o Instituto Lula foi alvo de uma “limpeza” antes da deflagração da Operação Aletheia nesta sexta-feira (4), a 24ª fase da Lava Jato, cujo principal alvo foi o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Não foram encontrados computadores e arquivos no cumprimento do mandado de busca e apreensão no local. “O instituto foi ‘limpo’ antes das buscas. Alguém se precaveu, escondendo o que podia”, diz uma fonte com acesso às investigações.Em casos similares na Operação Lava Jato, esse tipo de obstrução serviu para que os investigadores pedissem a prisão preventiva do investigado. Quando o ex-diretor Paulo Roberto Costa pediu às filhas para esconder documentos dos escritórios, essa foi a justificativa citada pela Polícia Federal para prendê-lo. Também o operador Guilherme Esteve de Jesus foi preso quando foi localizado um vídeo em que a mulher dele saía pelos fundos da casa, com material relevante para a investigação, pouco antes da chegada dos policiais
.
Lula foi obrigado a prestar depoimento por mandado de condução coercitiva.
Ele começou a ser ouvido por volta das 8h no Aeroporto de Congonhas e o interrogatório terminou pouco antes das 12h. O ex-presidente, familiares e aliados são investigados pela suspeita de que foram favorecidos por dinheiro desviado do petrolão, o esquema de corrupção da Petrobras.
(Fonte: Daniel Haidar – Revista Época)


Mais notícias relativas

João Santana e enteada foram avisados
3 dias antes da Operação Acarajé e
tentou destruir provas – Lava Jato

Conforme já noticiado a Policia Federal pediu a prisão preventiva de João Santana, porém os motivos mais graves que deve manter Joao Santana e Monica Moura Requião na cadeia é que o casal foi avisado 3 (três) dias antes que  a Lava Jato iria fazer a Operação Acarajé. Mostrando claramente que existem bandidos tentando obstruir a justiça e colocando em risco inclusive  a vida dos agentes da Policia Federal que iriam participar da chamada Operação Acarajé.
Alice de Moura Requião enteada de João Santana que é dona da Digital Polis e também dona da POLISTUR – PEIXINHO já sabiam da deflagração da Operação tanto que emitiram passagens para o advogado partir para a República Dominicana.
Cita o relatório da Policia Federal:
O relatório de interceptação telemática dos investigados consubstanciada no Relatório de Análise de Polícia Judiciária n° 44  traz ainda dois fatos relevantes:
Peixinho 21) O Item 1.1. do Relatório noticia que JOÃO CERQUEIRA DE SANTANA FILHO, no dia da deflagração da 23ª fase da Operação Lavajato, excluiu sua conta no Dropbox, serviço de armazenamento e compartilhamento de arquivos em nuvem (“cloud computing”), possibilitando a sincronização de diversos aparelhos eletrônicos com a referida conta (celulares e computadores), em clara tentativa de eliminar eventuais elementos probatórios relevantes que ali
pudessem ser encontrados;
2) No dia 19/02, mais precisamente às 23:12, CLARICE PEIXINHO, responsável pela POLISTOUR, envia mensagem de correio eletrônico a MONICA MOURA, indagando se poderia adquirir bilhete aéreo já reservado para o advogado do casal, para que ele se deslocasse à República Dominicana, onde o casal se encontrava. De início, parece-nos curioso que a funcionária CLARICE estivesse trabalhando numa sexta-feira, após as 23 horas. Ademais, na quinta-feira iniciaram-se as mobilizações de pessoal para a deflagração da 23ª fase da  Operação, o que indica, como bem anotado pela equipe de análise, a possibilidade de que os investigados tenham tomado conhecimento da deflagração da Operação que se daria três dias depois.
Peixinho 1
Polistur 2
Conforme já relatado Alice Requião era da Conspiração Filmes empresa dirigida por Lula Buarque de Hollanda acusada de lavar dinheiro pra André Vargas então secretario do PT .
Conspiracao untitled

***